Resenha “Dezesseis Luas”, Kami Garcia, Margaret Stohl

download.png

Livro: Dezesseis Luas

Autor:  Kami Garcia, Margaret Stohl

Número de Páginas: 490

Editora: Galera Record

Sinopse: Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade do sul dos Estados Unidos e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor, pesadelos com uma garota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece… Lena Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações. Mais que um romance entre eles, há um segredo decisivo que pode vir à tona.

 

Resultado de imagem para dezesseis luas

 

Pela sinopse, esse livro parece ser aquele clichê já visto tantas vezes e de tantas maneiras, mas não é bem por aí. Claro, a cidade pequena e parada, o garoto cansado da vida monótona e a garota “diferentona” que chega e muda tudo parecem ser os elementos certos para montar uma história já manjada. E sim, de certo modo, é uma história que tem uma base parecida com as outras, mas ela toma um rumo diferente das demais, e que me encantou.
Então, aqui vou contar o enredo sobre esse primeiro livro da saga Beautiful Creatures (que são quatro, ao todo):
Uma coisa que já diferencia essa de outras sagas com os mesmos “elementos principais” é o fato de ser narrada por um garoto! Geralmente, quem narra são as garotas, mostrando todo o encanto que têm pelos seus respectivos namorados/crushs. Já outras histórias são narradas em terceira pessoa, tendo uma visão mais ampla e com menos focos nos sentimentos mais profundos do(a) protagonista. Mas Dezesseis Luas é narrado por Ethan, um simples morador da pacata Gatlin, o “garoto cuja mãe morreu em um acidente”. Vendo pela perspectiva dele, descobrimos que garotos nem sempre são os heróis, o lado mais forte da relação. E eles também têm pensamentos fofos e se iludem em relação às garotas!
Lena Duchannes é uma conjuradora, e acredite, ser conjuradora não é só viver na mordomia, fazendo conjuros para ter tudo de que precisa. É difícil ser odiada por todos e não poder controlar certos “poderes”. Mas ainda acho que isso não é tão ruim quanto certa maldição que recai sobre as mulheres da família Duchannes. Na sua Invocação, na sua décima-sexta lua, as mulheres dessa família não podem escolher se vão para as Trevas ou para a Luz, assim como as outras podem. E tudo o que Lena quer é que esse dia demore o máximo possível. Para ela a hipótese de perder seu tio e, é claro, seu namorado, é impensável.
Então, se quiser descobrir como a contagem regressiva para o aniversário de Lena acaba, não deixe de ler Dezesseis Luas, um livro e tanto!

Por Camille Roshler

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s